terça-feira, 10 de janeiro de 2023

A Ilha

Tom: G

C                                       C7

Olhamos tudo em silêncio na linha da praia

    Dm7              Ddim                 C

De olhos na noite suspensos do céu que desmaia

Dm7            Bdim     E7                   E

Ai lua nova de outubro, trazes as chuvas e ventos

 C          D#        G#         G          C

A alma a segredar, a boca a murmurar tormentos!

                                        C7

Descem de nuvens de assombro taínhas e bagres

      Dm7             Ddim                   C

Se as aves embalam os peixes em certos milagres

     Dm7               Bdim      E7           E

Levita-se o corpo da alma, no choro das ladainhas

    C              D#         G#            G

Na reza dos condenados, nas pragas dos sitiados

  Gm         C7           F

Na ilha dos ladrões, quem sai?

   A                    Dm (C#m)

E leva este recado ao cais

 Dm         B        Em

São penas, são sinais. adeus


( D#  A#m  C#  C#  Dm  D  G  A7  Cm )


A#m                       Dm

Livra-me da fome que me consome, deste frio

Am                   C#m

Livra-me do mal desse animal que é este cio

G#m                        Gm

Livra-me do fado e se puderes abençoado

A#m                        G

Leva-me a mim a voar pelo ar!


C                                       C7

Como se houvesse um encanto, uma estranha magia

    Dm7              Ddim                 C

O sol lentamente flutua nas margens do dia

Dm7            Bdim     E7                   E

Despe o meu corpo corsário, seca-me a veia maruja

 C          D#              G#               G         

Morde-me o peito aos ais, das brigas, dos punhais

  Gm         C7           F

Na ilha dos ladrões, quem sai?

   A                    Dm (C#m)

E leva este recado ao cais

 Dm         B        Em

São penas, são sinais. adeus


( D#  A#m  C#  C#  Dm  D  G  A7  Cm )


A#m                       Dm

Livra-me da fome que me consome, deste frio

Am                   C#m

Livra-me do mal desse animal que é este cio

G#m                        Gm

Livra-me do fado e se puderes abençoado

A#m                        G

Leva-me a mim a voar pelo ar!


C                                    C7

Andamos nus e descalços, amantes, sedentos

    Dm7              Ddim                 C

Se o véu da noite se deita na curva do tempo

Dm7            Bdim     

Ai lua nova de outubro

E7                   E

Os medos são medos das chuvas e ventos

C          D#          G#        G

Da alma a segredar, da boca a murmurar

C

Adeus

A Guerra É A Guerra


Tom: Am

Am

            C

Salto no escuro

G                      C

Entre dentes trago a faca

G                    Am

E nos meus olhos coloridos

 Am

Juro

   G                Am

Vem ver o fogo no mar

                  C

Os peixes a arder

            Dm

Ó Ana vem ver

            G

Ó Ana vem ver

            Am  C G

Ó Ana vem ver


           C

Voando em arco

  G                        C

Esgueiro o corpo num balanço

G                    Am

Como um piloto do inferno, assalto

G                            Am

Nas asas guerreiras de um anjo


Seja louvado

  C              Am

Atacamos mui baralhados

                       G

Como um bando endiabrado

                      C

Por Jesus na sua cruz

 G

Chora por mim ó minha infanta

 Am

Escorre sangue o céu e a terra

G                         Am

Ah pois por mais que seja santa

G              C

A guerra é a guerra


[Chorus]

C            G

Malaca Malaca

                    C

A guerra é a guerra

C                 G

No céu e na terra

G                C

Nos dentes a faca

C               G

Avanço e avanço

G                   C

A guerra é a guerra

C                 G

No céu e na terra

G               Am

Balanço, balanço


[Instrumental]

G Am


G


[Verse 2]

        C

Seja bendito

   G              C

De todos o mais enfeitado

 G                             Am

Olha p'ra mim o mais guerreiro ao vivo

G

Olha p'ra mim o teu amado

Am

E o céu a arder

C            Dm

Ó Ana vem ver

             G

Ó Ana vem ver

             Am

Ó Ana vem ver



G

          C

Barcos em chamas erguidas

G                      C

Parecia coisa sonhada queimados

G                         Am

Os gritos horrendos da besta ferida

G                  Am

E lá dentro ardiam homens encurralados

C

E cá fora à cutilada

Dm

Decepados p'la calada

G                  C

Pelos peitos já desfeitos

G

Chora por mim ó minha infanta

Am

Escorre sangue o céu e a terra

G                              Am

Ah pois por mais que seja santa

G                   C

A guerra é a guerra


[Chorus]

C            G

Malaca Malaca

                    C

A guerra é a guerra

C                 G

No céu e na terra

G                C

Nos dentes a faca

C               G

Avanço e avanço

G                   C

A guerra é a guerra

C                 G

No céu e na terra

G               Am

Balanço, balanço


[Instrumental]


G Am


[Verse 3]

G

Foge saloio

        C

Eh parolo

G

Aguenta António de Faria

       C

E a fidalguia

G

Todo o massacre

              Am

E todo o desconsolo

G                        Am

Que já lá vem o Coja Acém

           C

E o mar a arder

           Dm

Ó Ana vem ver

           G

Ó Ana vem ver

           C

Ó Ana vem ver


G

                  C

Diz-nos adeus o pirata, o labrego

G

Lá de cima daquele mastro

C

Trocista e airoso

G

Mostrando o traseiro cafre

Am

Preto escuro de um negro

G

Levando-nos coiro e tesouro

Am

Rindo de gozo

C

Perdeu-se o resto na molhada

Dm

Pelo estrondo na quebrada

G                   C

No edema da gangrena

G

Chora por mim ó minha infanta

Am

Escorre sangue o céu e a terra

G                           Am

Ah pois por mais que seja santa

G               C

A guerra é a guerra


[Chorus]

C            G

Malaca Malaca

                    C

A guerra é a guerra

C                 G

No céu e na terra

G                C

Nos dentes a faca

C               G

Avanço e avanço

G                   C

A guerra é a guerra

C                 G

No céu e na terra

G               Am

Balanço, balanço

A Nau Catrineta


Tom: G

[Intro] D  A


 A                 D

Lá vem a Nau Catrineta

A                     D

que tem muito que contar!

Bm                   A

Ouvide, agora, senhores

                 D           

Uma história de pasmar


Passava mais de ano e dia

que iam na volta do mar

Já não tinham que comer

Já não tinham que manjar


Deitaram sola de molho

para o outro dia jantar

Mas a sola era tão rija

que a não puderam tragar


"Deitam sortes à ventura

qual se havia de matar

Logo foi cair a sorte

no capitão general

A                   Bm    

- "Sobe, sobe, marujinho,

A               B

àquele mastro real

                      A

vê se vês terras de Espanha

                 Bm

as praias de Portugal

                          A                              

- "Não vejo terras de Espanha,

 B                  F#

nem praias de Portugal

                   Bm                     

Vejo sete espadas nuas

                      

que estão para te matar


A                    Bm

- "Acima, acima, gajeiro,

 A              B

acima ao tope real!

                     A

Olha se enxergas Espanha

                Bm

areias de Portugal

                    A

- "Alvíssaras, capitão

Bm               F#

meu capitão general!

                       Em

Já vejo terras de Espanha

                B

areias de Portugal

                       A

Mais enxergo três meninas

                     Bm

debaixo de um laranjal

                 G

Uma sentada a coser

                   C

outra na roca a fiar

                    F#

A mais formosa de todas

                    Bm

está no meio a chorar."

A                            Bm

- "Todas três são minhas filhas,

Oh! quem mas dera abraçar!

A mais formosa de todas

Contigo a hei-de casar"


A                       D

- "A vossa filha não quero,

A                    D

Que vos custou a criar

Bm                     A

“Dar-te-ei tanto dinheiro

                     D

que o não possas contar."


- "Não quero o vosso dinheiro

Pois vos custou a ganhar

- "Dou-te o meu cavalo branco,

Que nunca houve outro igual."


- "Guardai o vosso cavalo,

Que vos custou a ensinar."

-“Que queres tu meu gageiro,

                            Bm

Que alvíssaras te hei-de eu dar?”

                         A

 -“Eu quero a Nau Catrineta,

Bm             F#

para nela navegar

                      Em

- "A Nau Catrineta, amigo,

                     B

é de El-rei de Portugal

                         A

Pede-a tu a El-rei, gageiro

                   D

Que ta não pode negar”

Que ta não pode negar”

Lembra-me Um Sonho Lindo

Fausto Bordalo Dias

Tom: D

[Primeira Parte]]


[Riff 1]


E|----------------------|

B|-----------------0----|

G|--7---5---4---2---5---|

D|---5---5---5---5---5--|

A|----0---0---0---0---0-|

E|----------------------|


E|----------------------|

B|-----------------0----|

G|--7---5---4---2---5---|

D|---5---5---5---5---5--|

A|----0---0---0---0---0-|

E|----------------------|


Lembra-me um sonho lindo

Quase acabado

Lembra-me um céu aberto

Outro fechado


[Segunda Parte]


[Riff 2]


E|----------------------|

B|--7---5---3---0-------|

G|----------------------|

D|---5---5---5----------|

A|----0---0---0---5-----|

E|------------------5---|


E|----------------------|

B|--7---5---3---0-------|

G|----------------------|

D|---5---5---5----------|

A|----0---0---0---5-----|

E|------------------5---|


Estala-me a veia em sangue

Estrangulada

Estoira num peito um grito

À desfilada


[Terceira Parte]


D              B7

Canta rouxinol canta

            Em7

Não me dês penas

D              B7

Cresce girassol cresce

            Em7

Entre açucenas


[Quarta Parte]


D              B7

Afaga-me o corpo todo

            Em7

Se te pertenço

D              B7

Rasga-me o vento ardendo

            Em7

Em fumos de incenso


[Quinta Parte]


[Riff 1]


E|----------------------|

B|-----------------0----|

G|--7---5---4---2---5---|

D|---5---5---5---5---5--|

A|----0---0---0---0---0-|

E|----------------------|


E|----------------------|

B|-----------------0----|

G|--7---5---4---2---5---|

D|---5---5---5---5---5--|

A|----0---0---0---0---0-|

E|----------------------|


Lembra-me um sonho lindo

Quase acabado

Lembra-me um céu aberto

Outro fechado


[Sexta Parte]


[Riff 2]


E|----------------------|

B|--7---5---3---0-------|

G|----------------------|

D|---5---5---5----------|

A|----0---0---0---5-----|

E|------------------5---|


E|----------------------|

B|--7---5---3---0-------|

G|----------------------|

D|---5---5---5----------|

A|----0---0---0---5-----|

E|------------------5---|


Estala-me a veia em sangue

Estrangulada

Estoira num peito um grito

À desfilada


[Sétima Parte]


D              B7

Ai como eu te quero

            Em7

Ai de madrugada

D              B7

Ai alma da terra

            Em7

Ai linda, assim deitada


[Oitava Parte]


D              B7

Ai como eu te amo

            Em7

Ai tão sossegada

D              B7

Ai beijo-te o corpo

            Em7

Ai seara, tão desejada

Tom: Ab (forma dos acordes no tom de F)

Capotraste na 3ª casa

[Intro] D6  G6(9)  Em7  A7

        Am7  Bm7  E7(9-)  E7

        Am7  Bm7  Em7  A7


D6

Fumo um cigarro deitado

            G6(9)  Em7  A7

No mês de Janeiro

Am7

Fecho a cortina da vida

                  Bm7 E7(9-)  E7

Espreguiço em Fevereiro

Am7

E procuro trabalho

                  Bm7

Nesta esperança de Março

F#7

Já me farta tanto Abril

                  G   G#

E aquilo que não faço

Am7

Espreito por um funil

              Bm7

A promessa de Maio

Em7                 A7

Porque esperar prometido


Nessa eu já não caio


( D6  G6(9)  Em7  A7 )


D6

Queimo os dias de Junho

            G6(9) Em7  A7

No sol quente de Julho

Am7

Esfrego as mãos de contente

                  Bm7 E7(9-)  E7

Num sorriso de entulho

Am7

Para teu grande desgosto

                  Bm7

Janto contigo em silêncio

F#7

E lentamente esquecido

                  G    G#

Digo-te adeus em Agosto

Am7

Meu Setembro perdido

                  Bm7

Numa esquina que eu roço

Em7             A7

E penso em Outubro


O menos que posso


( D6  G6(9)  Em7  A7 ) 

( D6  G6(9)  Em7  A7 )

( Am7  Bm7  E7(9-)  E7 )

( Am7  Bm7 )


F#7

Mas quando sinto a verdade

             G7M  G#

Daquilo que cansa

Am7

Nunca houve vontade

                  Bm7

Do tempo de andança

Em7             A7

Sinto força em Novembro

                      D6

Juro luta em Dezembro

Em7             A7

Sinto força em Novembro


Juro luta em Dezembro


[Final] D6  G6(9)  Em7  A7

quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

 

                                             CANTO PARA LETRADO

 

Intro:6/8

 | Em7| D | Em | D  |Em A|

 Bm/D |Bm C#m|A7 Bm|C#m A7|

Bm| A7 |D |A7|D|

A7                                      D

ESTE CANTO PARA LETRADO

A7                                                        D

FALA DA HISTÓRIA DO QUE NÃO SE FEZ

A7                                      D

JÁ NOS TEMPOS DO PASSADO

A7                              

NASCEU VANGLÓRIA

                            Bm

DE TANTA ALTIVEZ

D7                         Em

S.FRANCISCO XAVIER

              A7

EM JACULATÓRIA

                              Bm

MATOU UM JAPONÊS

D7                                          Em

COLOMBO NUM OVO ESCALFADO

                                  A7

DEU A VOLTA AO MUNDO

                           D

E ERA PORTUGUÊS

 

E NO TEMPO EM QUE VIVEMOS

O PROCESSO HISTÓRICO

BARALHA O FREGUÊS

SOBE O PREÇO A QUE COMEMOS

SOBE O TOM RETÓRICO

MENOS O FIM DO MÊS

O ARISTOCRATA FALIDO

PERDEU A CARROÇA

SOFRE DE ESTRABISMO

ENQUANTO O BURGUÊS DISTRAÍDO

METE O PÉ NA POÇA

                                       D

RUMO AO SOCIALISMO

 

 

 

 

 

REFRAO X2

 

Bm                                         F#m

E ADEUS QUE ME VOU EMBORA

Bm                                        F#m

ADEUS ADEUS MEU AMOR

D7                                               Em7

QUE NESTAS CANTIGAS DE AGORA

                              A7                                   D

CONTINUA EM MODA O VELHO RIMADOR

D7                                               Em

QUE NESTAS CANTIGAS DE AGORA

                               A7                                   D

CONTINUA EM MODA A RIMA À BEIJA-FLOR

 

INTRO

 

 

A GENTE TRABALHADORA

AVANÇA RECUA

ESPERA E CONTRA-ATACA

VAI SABENDO ENGANADORA

A VOZ QUE NÃO É SUA

 É DE VIRA-CASACA

QUANDO A CASACA SE VIRA

TEM O PATRONATO

O SEU DEPUTADO

QUE AFIRMA QUE SOCIALIZA

E EM BOA VERDADE

AUMENTA-LHE O SALDO

 

O POLÍTICO-NEURÓTICO

REVÊ MATÉRIA

TOMANDO CALMANTES

TOMA UM ANTIBIÓTICO

ANA VALÉRIA

À CUSTA DOS AMANTES

ALI AO CENTRO DO CHIADO

TOMAM BICAS DECANOS

CICRANOS CAFÉ DE LAZER

E ESGUEIRADOS NUMA MESA AO LADO

TRINTA MIL CUBANOS

TOMAM O PODER

 

 

 

 

 

REFRAO X2 + INTRO

 

……………..

DE NOVO  O RICO ESTÁ NA BERRA

DE TUDO CONSOME

ESPÍRITO E MATÉRIA

A GENTE POBRE DESTA TERRA

É QUE SE CONSOME

DE FOME E MISÉRIA

E O MINISTRO FAZ CHALAÇA

DIZ QUE NÃO HÁ FOME

RI-SE DELAMBIDO

POIS DA FOME QUE SE PASSA

SÓ RI QUEM NÃO COME

POR JÁ TER COMIDO

 

SÓ BATE O PÉ NA FESTA

QUEM TOCA A CANTIGA E A SABE CANTAR

QUANDO O CANTOR JÁ NÃO PRESTA

BEBE JEROPIGA

E ACABA A DANÇAR

NO MEIO DESTA CONFUSÃO

MORREU ZÉ DO TELHADO

E VIVE QUEM ROUBOU

POIS QUEM SE LIXA É O MEXILHÃO

E JÁ CÁ NÃO ESTÁ

QUEM AQUI CANTOU

 

REFRAO X2 + INTRO

 

 

 

                         Ali esta a cidade

Am7 E9/G# C7/G  D/F# Bb/F Am7 E7

Am7             Dm9/A
ali está a cidade

C6              G9      C
trémulos olhos da noite

                               Am7                       
toda em cimento se ergue

E/G#               C7/G
à tona dos desperdícios

D/F#                Bb/F
sob um arco luminoso

E7                                Am7
como um monstro incandescente

AM/G                 Dm
faz-se de bela deitada

E7                      Am    Gm11 Dm7 E7(2)
espapaçada na lama    

F#m                   C#7

mas sobretudo a cidade

D7+ A7/D D7+
é um som
          

Bm             E7/B     A
toca uma música boa

Gm11                 C#7                  F#m7
p’ra que eu me esqueça da alma ausente

E7                          A
que se perdeu pelas ruas

B05              E7             Am
que eu não me perca também

Dm9/AR
ali está a cidade…

ali está a cidade
rosto de sonos inquietos
estremunhada nas sombras
em contra luz rarefeita
finge-se um anjo da guarda
que se espreguiça felino
por fora assenta o colosso
em carne e osso por dentro

ali está a cidade
mão de mil dedos acessos
que acariciam diáfanos
o corpo dos inocentes
abre perversa o ragaço
à imagem de um paraíso
e aconchegou-se mais bela
e abandonei-me por ela

A Ilha Tom: G C                                       C7 Olhamos tudo em silêncio na linha da praia     Dm7              Ddim               ...