sábado, 14 de abril de 2012

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

AO SOM DO MAR E DO VENTO ----- LETRA E ACORDES

AO SOM DO MAR E DO VENTO



A                                              D

COM TODO ESTE SENTIMENTO

B7                                      Em7

AO SOM DO MAR E DO VENTO

A                                              D     G Em D A

AO SOM DO VENTO E DO MAR

D                                           A

CARREGADOS DE UMA BANDA

D    A

E TÃO POUCO DA OUTRA

D                                           A

TÃO BOIANTES DAQUELA

D   A

DESENGONÇADOS  NA ROTA

D                                           A

PENETRANDO A GRANDEZA

Bm7   A

DOS OCEANOS DAS ILHAS

D                                        A

SERVIA A QUILHA DE COSTADO

D    G Em D C

E O COSTADO DE QUILHA

C

VENTOU-NOS O VENTO VENTOU

Dm

POR MIL INVENÇÕES E MANEIRAS

G#7                                                                                 C#m7        A A7

ONDAS E ÁGUAS PELO AR EM BORRISCADAS E CHUVEIROS

D                                              C#7

E NO CORPO DA NAU DE RASTOS

F#m7

NA TOLDA NOS MASTARÉUS

F#m7

E ATÉ POR FORA DO CASCO

A                          Bb07                              D                  G Em D A D

JÁ TUDO SÃO FOLIAS PANDEIROS E ZOMBARIAS



VÃO EM NOSSA COMPANHIA

EM GRANDES FESTAS MULTICORES

MUITAS AVES MARISCANDO

E MUITOS PEIXES VOADORES

UMA TURBA DE BALEIAS EM BAILES BORRIFOS SÃO ELAS

ROMPENDO NESTE MAR DE ROSAS

MANCHAS DE OVAS DE AGUARELAS

VÊM ATÉ NÓS DAQUELES CÉUS INFINITAS ANDORINHAS

QUE NO SABOR NINGUEM SABIA SE ERAM CARNES OU SARDINHAS

SEM STº ANTÓNIO QUE OS DOUTRINE HÁ PEIXES FEROS TÃO DANADOS

FRUSCOS E MAL ENCARADOS

MAS TUDO SÃO FOLIAS PANDEIROS E ZOMBARIAS



Bm7                                         F#7/Bb  Bm7

CONTEMPLANDO DOS CHAPITÉUS

A7                                  D7+

O MOVIMENTO DOS CÉUS

D7                                           Em7

E CARTEANDO O SOL TÃO BEM

Bb7                           Ebm7

MEU BEM EU CIRCUNDO

F07                                Bb7                   Ebm7/F#

NAS DERRADEIRAS PARTES DO MUNDO

Eb7/G                                           G#m9

SÓ PRA TE ABRAÇAR E BEIJAR

B7                           E

COM TODO ESTE SENTIMENTO

C#7                                    F#m7

DO SOM DO MAR E DO VENTO

B7                                                 E   A D G Em D A

AO SOM DO VENTO E DO MAR



AGUENTA O BARCO ALTOS MARES

CONVOCADOS PELOS VENTOS

COM QUE ARFAVA E METIA

MUITO PELO BARLAVENTO

SENÃO QUANDO UM MARINHEIRO

AOS SALTOS PELO DESCONJUNTO

GRITOU ANTES QUE SE DAVA JÁ

ANTES DE MAIS COMO DEFUNTO

E APONTA A ONDA

QUE DE MUITO LONGE CHEGA LEVANTADA

SOBRE ELA VINHAM FOLIANDO

VULTOS NEGROS EM MANADA

MAS PASSA O MAU E O DESDITOSO

TUDO SE ESQUECE ACABOU-SE

O QUE FOI PASSADO PASSOU-SE

E TUDO SÃO FOLIAS PANDEIROS E ZOMBARIAS

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Lusitana

a entrada do tema é sempre (travessão no 2º ponto)   D e A7  mas o truque está no baxo da guitarra que faz sempre  (o baixo) D C#  B  A + Bb B C# D x3 à 4x  faz D C# B A +Bb B Bb   e acorde de D a voz entra ainda com o baixo em Bb  (A7/Bb) e enquanto é cantada o esquema do  baixo mantem-se ao mesmo tempo que cantas
Lusitana
Letra e Música: Fausto Bordalo Dias
A7 /Bb              D            
doce e salgada
                   A7
ó minha amada
                   D    A7
ó minha ideia
                               D
faz-me grego e romano
                       A7
tu gingas à africano
                 D
como a sereia
               A7
ó bailarina
             Bm7
ó columbina
                          A7
és a nossa predilecta
                               D
de prosadores e poetas
                 A7                       D
dos visionários dos visionarios
                               A7
quem te vê ama de vez
                                  D
nómadas e sedentários
                A7
ó pátria lusa
                Bm7
ó minha musa
A/C#                      D    (esquema em re e la7  com os baixos)
o teu génio é português
doce e salgada
ó minha amada
das epopeias
tu és toda em latim
e a mais mulata sim
das europeias
ó bailarina
ó columbina
do profano matrimónio
“nas andanças do demónio”
bela e roliça
dança a chula requebrada
a minha canção é mestiça
ó pátria lusa
ó minha musa
o teu génio é português
Am                                G7+
teu génio meigo e profundo
F# 9 /C#                          Bm
é deste tamanho do mundo
Eb07                     C7+/G
 sentimental como eu
                           B7
 dois corações pagãos
                                Em7
são de apolo e de orfeu
       C#7                  F#m7
guarda-nos bem fraternais
                                A7
no teu chão no teu colo
A7/B                    D
de sonhos universais
                             E
és o nosso almirante
                            Em7
terna mãe de crioulos
                                        A7
cuida da nossa alma errante
                A/B                   D
nós só queremos teu consolo

quinta-feira, 21 de julho de 2011

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Afinações para viola 'Por este rio acima' e 'O Mar'

Afinação VIOLA do Tema ‘Por este rio acima’
MI (BORDÃO)
SI (SOBE)
SI (SOBE)
MI (DESCE)
SI
MI
Afinação VIOLA para o Tema ‘Mar’
MI (BORDÃO)
SI
MI
M
-------------- Informação gentilmente cedida pelo próprio Autor------------------------------
---------------------------------- ‘Fausto Bordalo Dias’-------------------------------------------------

cá vai o 'Namoro'

 
Posted by Picasa

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

SOLDADOS DE BACO

Soldados de Baco

INTRO [|Em C|] 4X
Em             B7  |       C#05      |   Am/F#           B7      |        Em C  |  Em C |
Estes vêm feros e amotinados Aqueles andam bravos muito acossados
 Em                B7        |    C#05   |       Am7/F#    B7  |  Em C  |Em   C  |
Esses são mais grossos em algazarras Os outros mais tamanhos estendem as garras
Em                  |   Em/G       |  C                      |   C/G    |
Os bandarras , os bailarinos Os baptizados, os babuínos
   |         Am7/F#                 |               B7            |     B7     |
Os levantados os paladinos Todos provocam malditos aos gritos
Em                             D                               C
E alguns rapinam de pulo escaramuçam larápios
D                                            Em
(bate bate sobre a terra sobre os céus)
                           D                         C
Todos à uma muzungos cafres e arábios
Am                     B7                 Em
(pega pega pelas almas pelos céus)
Em                        D                                         C
Uns sem lei nem costumes mostram as partes traseiras
D                                                  Em
(bate bate sobre a terra sobre os céus)
                           D                                           C
E tanta gente responde mostra outras partes grosseiras
Am                       B7         Em
(pega pega pelas almas pelos céus)
Em                       D                                       C
Andam em roubos e desnudam os que vão derradeiros
D                                             Em
(bate bate sobre a terra sobre os céus)
                               D                                     C
Dão de focinhos no chão dados por golpes rasteiros
   Am7              B7                 Em
(pega pega pelas almas pelos céus)

Em                                             A7                
Vivem de muitas vidas na vida, hão-de viver como soldados de Baco na terra
Am7                      D                         Em
Nunca a paz é a paz toda enfeitada de guerra
Em                                    A7
Enfeitada como um qualquer deus
Am7            D          Em
Toda enfeitada de breu
(INSTRUMENTAL) 2 X [ Em C Em C D C ]

Estes saltam brutos como bugias Aqueles fazem cruas carniçarias

Esses muito indígenas e carniceiros Os outros sanguinários muito estrangeiros

Os quadrilheiros os esgrimidos os acossados os carcomidos

Os vergastados os corrompidos --- todos em sangue lavados aos brados

E alguns dão Santiago dão nos bons e nos maus

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

E todos enchem o ar o céu de pedras e paus

(mata esfola misericórdia Senhor)

Uns varados dos peitos do espinhaço à outra parte

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

Tantas cabeças ao talho à força dos bacamartes

(mata esfola misericórdia Senhor)

Vão fustigados os braços as pernas e outros lugares

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

Dão nos contrários uivando golpes mortais aos milhares

(mata esfola misericórdia Senhor)



Morrem de muitas mortes e à morte

Hão-de morrer como soldados de Baco na terra

Se nunca a paz é a paz toda enfeitada de guerra

Enfeitada------------como um qualquer deus

Toda enfeitada ....



E alguns afrouxam calados calados pelas gargantas

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

Todos vomitam de si chuvas de setas e lanças

(mata esfola misericórdia Senhor)

Uns vão de crânios abertos com as medulas de fora

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

tantas ossadas e carnes que a lama engole e devora

(mata esfola misericórdia Senhor)



Morrem de muitas mortes e à morte

Hão-de morrer como soldados de Baco na terra

Se nunca a paz é a paz toda enfeitada de guerra

Enfeitada------------como um qualquer deus

Toda enfeitada ....

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

ROUPA VELHA

Roupa velha

Letra e Música: Fausto

Am

Am
Rapariguinha
cose a tua saia
E7
velha de cambraia
                    Bm         E7              Am
que outra não podes comprar baixa a bainha
rasga o pé-de-meia
E7
quando é magra a ceia
Bm
quem nos há-de aguentar
E7 Am
oh bonitinha
G7
A que preço está o peixe
C
na corrida
G7
a xaputa já é truta
C
promovida
Am                               F
puxa da massa apalpa a fruta
Bb
insecticida
Eb Bb
fez a pileca da vitela
Em Bm
uma investida
Dm Am
e a salsicha “isidora”
E7 Am G7 C G7 C
é alheira de Mirandela
G7
A que preço está a couve

e o grão-de-bico

bacalhau quase não há

deu-lhe o fanico

tenho prisão de ventre oh pá?

eu já te explico

o feijão-frade subiu ao céu

vende o penico

se não há grelos no mercado

há bons nabos no hemiciclo

Am Am/G
Guarda a roupa velha
Am/F#
que sobra do almoço
Bm11
dá o braço à Maria
E7 Am
ao Manel e ao Joaquim
Am Am/G
não vás devagarinho
Am/F#
faz da praça um alvoroço
Bm11
leva-me contigo
E7 Am
ai!! não te esqueças de mim

A que preço está o vinho

nessa pipa

arde o preço da aguardente

queima a tripa

a água-pé é um detergente

só constipa

já não gosto da cerveja

dessa tipa

e a jeropiga a martelo

é servida em bandeja



A que preço está a casa

nessa esquina

não se aluga só se vende

é uma mina

quem a vende tem juros

lucros

alucina

quem não tem casa inventa

imagina

sonha ao relento é multado

mora em barraca clandestina



Como vai a nossa vida

de chinelo

pelo custo não é festa

é um duelo

o cabaz da fome é caro

magricela

mais barato é o discurso

tagarela

nada diz nada acrescenta

                                          G7 C G7 Am
nem mexe o fundo à panela

quarta-feira, 7 de abril de 2010

sábado, 23 de janeiro de 2010

De um miserável naufrágio que passámos (original em Mi com o cappo no 2º traste mas como se fosse Ré)

[D A] [F# Bm]
Bm F#
O escuro é muito grande O tempo é muito frio
Bm F#
O mar é muito grosso O vento é muito rijo
Em7
As águas são cruzadas
A7
As vagas levantadas
D Bb7 C7
Eh bruto corta-me esses mastros
F G Bb7 A7
Aguenta a popa e vira a proa
D Bb7 C7
Ajusta-me esses calabretes
F G Bb7 A7
Baldeia fazendas à toa
D F#7
Descarrega esse convés
Bm
Saltam braços Voam pés
A7 Bm
Vomitam pragas num estardalhaço
C#7 F#m
Os corpos atirados em pedaços
G# C#m A# D#m7
Dão à costa Pela encosta
D7 G
Choramos a nossa perdição
Bb7
Dando muitas bofetadas
Cm7 Bm7 Em7
Em nós próprios sim senhor
A7 Bm7 B7
Metidos num charco de água
Em7 A7 D
Gritamos uma reza ao salvador

II
Salve-se agora quem puder
Por entre feridos e aflitos
Nas costas banhadas em sangue
Mordem atabões e mosquitos

Gritam mudos Ouvem surdos
Em trejeitos absurdos
Um marinheiro de cabeça toda aberta
C’os miolos todos podres quase inerte
Num boeiro Ai que cheiro

E abraçado a mim logo expirou
Com provas de bom cristão
O que muito nos consolou
Não ter de o levar às costas
Enterrado Abençoado lá ficou
III
Estando nós em grande perigo
Num enorme desvario
Nadaram dois marinheiros
E a pouco mais de meio rio



Arremeteram conta eles
Dois lagartos muito grandes
Que os esfarraparam todos em bocados
Com a qual vista ficámos assombrados
Ai socorro Ai que eu morro

Livra que nos fomos logo a pique
E subitamente ao fundo
Com um negro pela mão
Tão pasmado e caladinho
Mas lá por dentro a cantar o cantochão

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Rosalinda (1 de 2 )

 
Posted by Picasa

Rosalinda (2 de 2 )

 
Posted by Picasa

A nova Brigada dos coroneis dos lapis azuis

 
Posted by Picasa

Como um sonho acordado (1 de 2)

 
Posted by Picasa

Como um sonho acordado (2 de 2 )

 
Posted by Picasa

Rosalinda (corrigida) (tocado com cappo no 3º traste como se fosse acorde La Maior)

(19) ROSALINDA
(Fausto Bordalo Dias)

C – Gm7 // Cmaj7 // C – Gm7 // Dm7 // G7

Cmaj7
Rosalinda
Gm7 Cmaj7
se tu fores à praia
C#o Dm7 G7
se tu fores ver o mar
Cmaj7
cuidado não te descaia
C#o Dm7
o teu pé de catraia
G7 Cmaj7 Dm7
em óleo sujo à beira-mar
G7 Cmaj7
cuidado não te descaia
C#o Dm7
o teu pé de catraia
G7 Cmaj7 Gm7 Cmaj7 Gm7
em óleo sujo à beira-mar

E sus Am
a branca areia de ontem
D7 Em7
está cheiínha de alcatrão
F# sus C7/b5 Bm7
as dunas de vento batidas
Am7 G7
são de plástico e carvão
Cm7 F/A
e cheiram mal como avenidas
G7 C
vieram para aqui fugidas
G7 Cmaj7-Gm7
a lama a putrefacção
Cm7 F/A
as aves já voam feridas
G sus – G7 Cmaj7-Gm7 x2
e outras caem no chão
E sus Am D7
mas na verdade Rosalinda
Em7
nas fábricas que ali vês
Dm7 G7 Cmaj7
o operário respira ainda
Cm7 F7 Bb
envenenado a desmaiar
D7 G
o que mais há desta aridez
Cm7 F/A
pois os que mandam no mundo
G7 Cmaj7-Gm7
só vivem querendo ganhar
Cm7 F/A
mesmo matando aquele
G sus G7
que morrendo
C G7
vive a trabalhar – tem cuidado
se tu fores à praia
se tu fores ver o mar
cuidado não te descaia
o teu pé de catraia BIS
em óleo sujo à beira-mar


E sus Am D7
e em Ferrel lá p’ra Peniche
Em7
vão fazer uma central
F# sus C7/b5 Bm7
que para alguns é nuclear
Am7 G7
mas para muitos é mortal
Cm7 F/A
os peixes hão-de vir à mão
G7 C
um doente outro sem vida
G7 Cmaj7-Gm7
não tem vida o pescador
Cm7 F/A
morre o sável e o salmão
G7 C
isto é civilização
G7 C G7
assim falou um senhor – tem cuidado

Rosalinda
se tu fores à praia
se tu fores ver o mar
cuidado não te descaia
o teu pé de catraia BIS
em óleo sujo à beira-mar

Olha o Fado

Olha o fado
[E G#m7 F#m7 B7 ] E



Bm E7
Eu cá sou dos Fonsecas
A7
Eu cá sou dos Madureiras
Bm E7
De ferro o puro sangue
A7
O que me corre nas veias
B7
Nasci da paixão temporal
C#7 F#m
Do porto dos vendavais
A D
Cresço no fragor da luta
B/Eb
Numa força bruta
B/Bb A
P’ra além dos mortais
F# Bm
Mas tenho muitas saudades
G# C#m7
Certas penas e desejos
A D
E aquela louca ansiedade
G C
Como um pecado
C
Meu amor se te não vejo
B7
Olha o fado
Am
Ora é tão vingativo
Em
Ora é tão paciente
Am
Amanhã é comedor
Em
Hoje abstinente
C B7
Mentiroso alcoviteiro
E Em7
Doce e verdadeiro
Am
Uma vez conquistador
Em
Outra vez vencido
Em
Amanhã é navegante
C
Hoje é desvalido
B7
Sensual aventureiro
E [E G#m F#m7 B7]
Doido e bandoleiro
F#m B7
Somos capitães
E
Somos Albuquerques
G#m7
Nós somos leões
F#m7
Os lobos do mar
B7
De olhos pregados nos céus
E G#m7
De cima dos chapitéus
F#m7 B7
Somos capitães
E
Somos Albuquerques
G#m7
Nós somos leões
F#m7
Os lobos do mar
B7
E na verdade o que vos dói
E [E G#m F#m7 B7]
É que não queremos ser heróis